‘FMI’

O FMI é muito mais que uma organização internacional. O FMI é um clima, é uma visão política do futuro do país.

O FMI é a imposição de cortes de 30% nos salários dos trabalhadores da função pública. O FMI é o esvaziamento completo da dimensão social e económica da democracia (serviço nacional de saúde, escola pública, segurança social), a pretexto de um suposto equilíbrio das contas públicas. Repito, suposto: o peso da dívida pública no PIB da Grécia antes da intervenção do FMI era de 115%; no final de 2013 estima-se que passe a ser de 155%…

Acima de tudo, o FMI é o programa que a Direita anseia que seja aplicado em Portugal mas pelo qual não tem a coragem de assumir responsabilidades directas. Por isso a Direita é tão lesta a mostrar o seu anseio pela aterragem do FMI na Portela – isso permitir-lhe-ia encontrar um biombo atrás do qual se esconderia para impor medidas de ainda mais dramática penalização dos sectores mais frágeis da sociedade portuguesa.

O FMI é um dos lados da bifurcação com que Portugal está hoje confrontado na escolha do seu futuro. Mas nada tem um só lado, não há caminhos únicos. O outro lado é o da democracia. Porque a democracia é o campo em que todos têm igual cidadania e, por ser assim, é o campo de serviços públicos que compensem as assimetrias de poder na sociedade. Eis pois a clarificada a nossa escolha: ou o FMI ou a democracia. Não há terceira via.

Publicado por José Manuel Pureza em Diário das Beiras no dia 13 de Janeiro de 2011

Este artigo foi publicado em Home, Textos e Opinião and tagged . Bookmark the permalink.