‘Palestina’

Os gritos pela democracia que hoje ecoam nas capitais árabes são denúncias irreprimíveis de que aqueles países não tolerarão mais ser vítimas de conivências estratégicas internacionais que ali perpetuaram ditaduras porque convinham ao status quo tutelado pelo ocidente. Esse status quo sempre teve um nó górdio: Israel e a Palestina. Tanto quanto o P de petróleo, o P de Palestina foi decisivo para que o ocidente apoiasse regimes corruptos e tirânicos por serem os garantes da contenção das massas indignadas pela condenação do povo palestino a viver privado de uma pátria.

A solução preconizada pelas Nações Unidas desde 1948 – dois Estados, Israel e Palestina, em paz e segurança – tem sido protelada desde então, em violação grosseira do Direito Internacional. Não há anjos nem demónios nesta história. Mas há um povo com o seu Estado e outro a quem esse direito continua a ser negado e a quem o território vem sendo roubado ao sabor da construção provocatória de colonatos.

110 países reconhecem hoje a Palestina como Estado com as suas fronteiras de 1967. E esse seu reconhecimento em nada se opõe, antes estimula, a busca de dinâmicas diplomáticas que garantam que o caminho se fará para o horizonte certo e de forma certa. É tempo de sermos claros e de tomarmos posição, para que o “país onde todos vivem sobre brasas de raiva”, como escreveu o poeta palestino Mahmoud Darwich se transforme num país com a mesma dignidade dos demais.

Publicado por José Manuel Pureza em Diário das Beiras no dia 10 de Fevereiro de 2011

Este artigo foi publicado em Textos e Opinião and tagged . Bookmark the permalink.