Author Archives: Fórum Manifesto

Convocatória da Convenção para uma candidatura cidadã

tda

A convocatória está aberta a subscrições aqui.

Portugal vive um tempo de urgência. Há uma geração que abandona o país, uma economia frágil que se desmorona em sucessivas falências de empresas, um Estado que é reduzido às suas funções mínimas, uma democracia que perde poder efectivo, um corredor de escolhas que, a cada dia que passa, se vai estreitando. É, para todos os cidadãos, um tempo de exigência. Da organização da resistência, mais do que nunca necessária, tem de nascer a construção de uma alternativa, com soluções praticáveis que mobilizem as energias democráticas do país e sejam capazes dos diálogos possíveis.

A urgência que o país sente e as soluções que o país exige obrigam a escolhas difíceis. Cabe-nos garantir que não sejam entre ficar na mesma ou voltar para trás. Não basta mudar o governo para haver a mudança necessária. As próximas eleições têm de corresponder à vitória de um programa de defesa do Estado Social e do Estado de Direito e de aprofundamento da democracia em Portugal e na Europa.

Sabemos em que país queremos viver. Num país que proteja o trabalho com direitos e valorize o conhecimento. Que ajude a economia a ser mais inovadora e mais solidária. Que proteja o ambiente e o território. Que se orgulhe do Estado Social e melhore a sua Escola Pública, o seu Serviço Nacional de Saúde e a sua Segurança Social. Que combata a precariedade, redistribua o rendimento e erradique a pobreza infantil. Onde a igualdade seja o eixo central de um novo contrato social e a alavanca para um novo modelo de desenvolvimento.

Sabemos o governo que queremos. Queremos um governo progressista que recuse a austeridade como forma de sair da crise e a passividade como forma de estar na Europa. Que construa um poder democrático que governe para o povo e não seja refém de interesses privados. Um governo assim enfrentará escolhas difíceis, mas necessárias. Em Portugal, precisará de um mandato popular para defender a Constituição. Na Europa, precisará de uma nova política de alianças e de uma atitude mais exigente e insubmissa para combater o Tratado Orçamental e iniciar um processo de reestruturação da dívida pública.

É tempo de avançar. Esta é uma convocatória à vontade cívica de todos quantos acreditam que esta governação progressista é possível e deve ser construída pela força da cidadania. Uma convocatória para uma Convenção Cidadã a ter lugar a 31 de janeiro, em Lisboa. Uma convocatória à construção de um programa eleitoral auscultando os cidadãos, num processo de debate e deliberação público, transparente e informado. Uma convocatória a uma candidatura cidadã às próximas eleições legislativas, através de um processo de construção de listas aberto, em eleições primárias. Acima de tudo, uma convocatória a uma maior responsabilização política de todos, eleitores e eleitos, antes e depois do voto, para uma alteração fundamental das políticas que têm devastado o país nos últimos anos. A sociedade portuguesa reclama uma democracia mais intensa, mais informada e mais responsável. E soluções viáveis para o terrível impasse em que se encontra. Pode ser diferente. Depende de nós.

A convocatória está aberta a subscrições aqui.

Subscritores iniciais:

 

Abílio Hernandez, Coimbra

Adriano Barrias, Lisboa

Alberto Melo, São Braz de Alportel

Alberto Midões, Viana do Castelo

Alexandra Lucas Coelho, Lisboa

Alexandre Barroso, Coimbra

Alexandre Estrela, Lisboa

Alexandre Oliveira, Lisboa

Ana Bastos, Lisboa

Ana Costa, Lisboa

Ana Drago, Lisboa

Ana Fernandes, Porto

Ana Filipa Larcher, Bissau / Lisboa

Ana Mafalda Pernão, Lisboa

Ana Maria Oliveira Pereira, Sintra

Ana Prata, Lisboa

Ana Raquel Matos, Coimbra

André Barata, Lisboa

André Belo, Rennes

André Carmo, Lisboa

André Freire, Lisboa

André Gago, Lisboa

André Nóvoa, Lisboa

André Teodósio, Lisboa

Ângela Luzia, Almada

Anísio Franco, Lisboa

António Avelãs, Lisboa

António Gonzalez, Torres Vedras

António Loja Neves, Oeiras

António Martins Coelho, Vila Rela de Sto. António

António Serzedelo, Setúbal

Armandina Maia, Lisboa

Augusto M. Seabra, Lisboa

Bárbara Bulhosa, Lisboa

Boaventura de Sousa Santos, Coimbra

Branca Carvalho, Viana do Castelo

Bruno Dias Pinheiro, Lisboa

Carlos Almeida, Lisboa

Carlos Brito, Alcoutim

Carlos Gouveia-Melo, Lisboa

Carlos Luís Figueira, Vila Real de Sto António

Carlos Nobre Neves/PACMAN, Lisboa

Carlos Teixeira, Lisboa

Catarina Andrade Fidalgo, Lisboa

Catarina Mourão, Lisboa

Catarina Ruivo, Lisboa

César Nuno Madureira, Lisboa

Cipriano Justo, Cascais

Clarisse Marques, Lisboa

Cláudia Rita Oliveira, Lisboa

Cláudio Borges, Lisboa

Daniel Jesus, Lisboa

Daniel Oliveira, Lisboa

David Crisóstomo, Almada

David Marçal, Lisboa

David Morais, Leiria

David Xavier, Lisboa

Delberto Aguiar, Lisboa

Diana Barbosa, Porto

Diogo Martins, Vila Franca de Xira

Diomar Santos, Porto

Edgar Costa, Azeitão

Eduardo Viana, Oeiras

Eldad Manuel Neto, Porto

Elísio Estanque, Coimbra

Emílio Távora Vilar, Lisboa

Enrique Pinto-Coelho, Lisboa

Eugénia Pires, Lisboa

Fernanda Marinho Amado, Loures

Fernando Martins, Lisboa

Fernando Nunes da Silva, Lisboa

Fernando Sousa Marques, Sesimbra

Fernando Vendrell, Lisboa

Filipa Vala, Lisboa

Filipe Moura, Lisboa

Filipe Santos Henriques, Alenquer

Florival Lança, Lisboa

Gaspar Martins Pereira, Porto

Geiziely Glícia Fernandes, Lisboa

Gonçalo Pereira, Lisboa

Graça Rojão, Covilhã

Guadalupe Simões, Lisboa

Gustavo Cardoso, Lisboa

Gustavo Rubim, Lisboa

Helder Faustino Raimundo, Loulé

Henrique Borges, Porto

Henrique Mendes, Lisboa

Henrique Sousa, Seixal

Hugo Faria, Lisboa

Isabel do Carmo, Lisboa

Isabel Guerra, Lisboa

Isabel Loureiro, Lisboa

Isabel Mendes Lopes, Lisboa

Isabel Prata, Coimbra

Isabel Santos Duarte, Porto

Isabel Tadeu, Lisboa

Ivan Nunes, New York

Ivone Barracha, Torres Vedras

João Arriscado Nunes, Coimbra

João Bicho, Lisboa

João Bonifácio, Lisboa

João Carlos Afonso, Lisboa

João Carlos Coelho dos Santos, Porto

João  M. Almeida, Lisboa

João J. C. Ferreira, Coimbra

João Lourenço, Lisboa

João Monteiro, Porto

João Vasco Gama, Lisboa

Joaquim Mealha Costa, Loulé

Jorge Espírito Santo, Lisboa

Jorge Gravanita, Lisboa

Jorge Malheiros, Lisboa

Jorge Martins, Porto

Jorge Morais,Porto

Jorge Pinto, Bruxelles

Jorge Vala, Lisboa

Jorge Wemans, Lisboa

José António Tavares, Lisboa

José Aranda da Silva, Cascais

José Carlos Martins, Coimbra

José Carlos Miranda, Porto

José Castro Caldas, Amadora

José Costa, Bruxelles

José Delgado Martins, Lisboa

José Dias, Coimbra

José Fanha, Lisboa

José Manuel Basso, Nisa

José Manuel Carreira Marques, Beja

José Manuel Henriques, Lisboa

José Manuel Neto Azevedo, Açores

José Manuel Tengarrinha, Cascais

José Maria Silva, Porto

José Mário Silva, Lisboa

José Munhoz Frade, Beja

José Pedro Pereira, Lisboa

José Pedro Silva, Almada

José Reis, Coimbra

José Vítor Malheiros, Lisboa

JP Simões, Lisboa

Júlia Coutinho, Lisboa

Júlia Leitão Barros, Lisboa

Júlio Machado Vaz, Porto

Leonor Barata, Coimbra

Leonor Cintra Gomes, Lisboa

Luciana Rio Branco, Lisboa

Luís Filipe Santos, Lisboa

Luís Moita, Lisboa

Luís Moutinho, Porto

Luís Quintais, Coimbra

Luís Valente, Jena

Luísa Alvares, Basel

Luísa Branco Vicente, Lisboa

Luísa Costa Gomes, Lisboa

Luísa Mesquita, Santarém

Manuel Branco, Évora

Manuel Brandão Alves, Lisboa

Manuel Coelho, Sines

Manuel Correia Fernandes, Porto

Manuel Vieira, Porto

Manuela Barreto Nunes, Braga

Manuela Carvalheiro, Coimbra

Manuela Silva, Lisboa

Manuela Vieira da Silva, Lisboa

Marco Barroso, Haarlem / Lisboa

Margarida Bak Gordon, Lisboa

Maria Augusta Sousa, Oeiras

Maria Benedicta Monteiro, Lisboa

Maria Clara Fernandes, Porto

Maria Eduarda Gonçalves, Lisboa

Maria Emília Costa, Faro

Maria João Andrade, Lisboa

Maria João Cabrita, Braga

Maria João Cantinho, Lisboa

Maria João Freitas, Sintra

Maria João Pires, Lisboa

Maria José Espinheira, Porto

  1. Margarida Trocado Moreira, Loures

Maria Ofélia Janeiro, Alverca

Maria Tengarrinha, Lisboa

Mariana Topa, Matosinhos

Mário Figueiredo, Lisboa

Mário Laginha, Lisboa

Mário Ruivo, Lisboa

Marisa Galiza, Mafra

Marta Bobichon Loja Neves, Oeiras

Marta Delgado Martins, Lisboa

Marta Moita, Lisboa

Miguel Ângelo Andrade, Lisboa

Miguel Dias, Setúbal

Miguel Gonçalves Mendes, Lisboa

Miguel Vale de Almeida, Lisboa

Miguel Won, Lisboa

Milice Ribeiro dos Santos, Porto

Nídia Zózimo, Lisboa

Nuno David, Lisboa

Nuno Fonseca, Lisboa

Nuno Fragoso Gomes, Lisboa

Nuno Serra, Oeiras

Paolo Marinou-Blanco, Los Angeles / Lisboa

Patrícia Beldade, Oeiras

Patrícia Brito Mendes, Lisboa

Patrícia Gonçalves, Lisboa

Paula Cabeçadas, Lisboa

Paula Velazquez, Lisboa

Paulo Fidalgo, Lisboa

Paulo Jacinto, Sintra

Paulo Monteiro, Maia

Paulo Peixoto, Coimbra

Paulo Velez Muacho, Seixal

Pedro “Pecas” Monteiro, Cascais

Pedro Bacelar de Vasconcelos, Braga

Pedro Gonçalves, Lisboa

Pedro Nunes Rodrigues, Leiria

Pedro Roque Domingues, Lisboa

Pedro Vieira, Lisboa

Pierre Guibentif, Lisboa

Pilar del Río, Lisboa

Priscila Soares, São Braz de Alportel

Rafael Esteves Martins, Sintra

Renato Carmo, Lisboa

Ricardo Alves, Lisboa

Ricardo Paes Mamede, Lisboa

Ricardo Sá Fernandes, Lisboa

Rita Covas, Cape Town / Porto

Roberto Merrill, Braga

Rodrigo Gonçalves, Lisboa

Rogério Moreira, Oeiras

Rosa Barreto, Lisboa

Rosa Maria Martelo, Porto

Rui Bebiano, Coimbra

Rui Feijó, Porto

Rui Tavares, Lisboa

Rui Valada, Amadora

Sandro Mendonça, Lisboa

São José Lapa, Sintra

Sara Araújo, Coimbra

Sara Magalhães, Lisboa

Sérgio Lavos, Lisboa

Sofia Cordeiro, Lisboa

Susana Beirão, Vila Nova de Gaia

Ulisses Garrido, Lisboa

Vasco Pimentel, Lisboa

Vera Tavares, Lisboa

Virgílio Morais de Matos, Lisboa

Viriato Soromenho-Marques, Lisboa

Vítor Louro, Sesimbra

Vítor Sarmento, Lisboa

É tempo de avançar – uma candidatura cidadã às eleições legislativas de 2015 – Daniel Oliveira

do

Texto do Daniel Oliveira

Hoje, um grupo de mais de 240 cidadão tornou pública uma convocatória para uma convenção, no dia 31 de janeiro. Uma assembleia que fará nascer uma plataforma eleitoral para as eleições legislativas de 2015. O texto da convocatória é curto mas claro nos seus objetivos políticos: mobilizar os cidadãos para que nas próximas eleições não mude apenas o governo. Mude a governação. Uma governação que recuse a austeridade como forma de sair da crise e a passividade como forma de estar na Europa. Que construa um poder democrático que governe para o povo e não seja refém de interesses privados. (leiam a convocatória e a lista de subscritores em baixo). O força cidadã que seja exigente consigo mesma e esteja disposta a fazer parte da solução.

Esta convocatória está aberta à subscrição pública. Aqueles que a subscreverem participarão em igualdade de direitos e deveres na assembleia cidadã que, a 31 de janeiro, definirá, de forma democrática e participada, o que virá a ser esta candidatura. Desde o seu funcionamento às suas linhas programáticas, passando pelos seus candidatos e a sua orientação política. Apesar do apoio expresso e empenhado de várias organizações a esta candidatura (Fórum Manifesto e Livre, que a fizeram nascer, MIC-Porto e Renovação Comunista, que deciriam juntar-se a esta ideia), que contribuirão de formas diversas para o reforçar (o Livre, por exemplo, com o suporte partidário que permite ir a votos num país que não autoriza listas de cidadãos), são os mais de 240 promotores iniciais que se dirigem aos cidadãos. Com o seu nome e em seu nome. E serão todos, esperemos que milhares, a título indidividual e em pé de igualdade, tenham ou não filiação em qualquer organização, que decidirão o que será este movimento de convergência e que o farão funcionar.

Entre os mais de 240 promotores, estão nomes mais e menos conhecidos. Sindicalistas, jornalistas, autarcas, artistas, académicos, estudantes, médicos, bolseiros, activistas sociais, trabalhadores, desempregados, emigrantes. Podem ver a lista completa em baixo. Por facilidade, deixo aqui apenas alguns nomes mais facilmente identificáceis mas nem por isso mais importantes: Ana Drago, Rui Tavares, José Reis, Ricardo Sá Fernandes, Carlos Brito, Boaventura de Sousa Santos, Elísio Estanque, Eugénia Pires, Isabel do Carmo, José Aranda da Silva, Júlio Machado Vaz, Luis Moita, Mário Ruivo, Pedro Bacelar de Vasconcelos, Ricardo Paes Mamede, Viriato Soromenho-Marques, Alexandra Lucas Coelho, André Gago, André Teodósio, Augusto M Seabra, Bárbara Bulhosa, Pacman, Daniel Oliveira (eu mesmo), Jorge Wemans, José Fanha, José Vítor Malheiros, JP Simões, Luísa Costa Gomes, Mário Laginha, Pilar del Rio, São José Lapa, os autarcas (ou ex-autarcas) Fernando Nunes da Silva, João Afonso, José Manuel Basso, José Manuel Carreira Marques, Manuel Coelho e Manuel Correia Fernandes e os sindicalistas António Avelãs, Florival Lança, Guadalupe Simões e Ulisses Garrido.

Estes são alguns dos nomes que ajudaram a dar um primeiro impulso, num apelo ao país. Mas um movimento de cidadania, ainda mais quando quer ir a votos, só o pode ser quando se implanta na sociedade e é tomado pelos cidadãos, sejam conhecidos ou “anónimos”, como são, uma e outra coisa, os promotores iniciais desta iniciativa. É hoje que tem de começar a mudar a vida política portuguesa. Envolvendo na democracia quem dela está a desistir. É tempo de avançar para acordar o País. Subscreve a Convocatória da Convenção para uma candidatura cidadã às eleições legislativas de 2015. Ajuda a fazer democracia.

PODES SUBSCREVER AQUI: www.tempodeavancar.net

“Vamos criar uma plataforma política de alternativa concreta” – Ana Drago

Ana

Entrevista da Ana Drago ao Expresso

Quatro meses depois de ter abandonado o Bloco de Esquerda Ana Drago aceitou falar ao Expresso. Para dizer que há uma esquerda alternativa disposta à convergência e que o “PS é um parceiro imprescindível para mudar o rumo do país”. No entanto nada está garantido Desde logo porque António Costa teima em “deixar muitas dúvidas por esclarecer e até agora não foi muito claro sobre o que tenciona fazer”. A ex-deputada está de volta à política e às eleições. E garante que não está aqui para criar um grupo de amigos do PS.

Porque demorou tanto tempo para falar?

Porque construir uma resposta que ao mesmo tempo seja capaz de reunir vontades políticas de falar verdade aos portugueses e de estruturar um programa que defenda o fundamental é um processo que demora. Demora tempo e exige persistência.

E já encontrou a plataforma de convergência à esquerda que procurava?

Há leituras comuns da situação política do país que se tornou um pouco paradoxal a esquerda não assume nenhuma vontade de um projeto de governação que responda à situação de emergência que estamos a viver e as forças políticas que querem governar acham possível ir governando ou apresentar se à governação sem dizer nada de concreto sobre os constrangimentos que o país enfrenta. Eu creio que existe um espaço e uma disponibilidade à esquerda por parte de algumas organizações e de muitos cidadãos que exigem uma credibilização da representação democrática. Esse percurso está a ser feito.

O problema é o da finalização. Como se faz essa convergência?

Há possibilidade de criar uma plataforma política de alternativa concreta e com capacidade de influenciar a governação ancorada à esquerda. Essa plataforma irá a eleições nas legislativas de 2015.

E como se chama com quem é que conta como vai surgir?

Neste momento não me cabe a mim dizer mais do que isto.

Isso quer dizer o quê? A Manifesto e o Livre vão juntos a eleições?

Conversámos longamente com o Livre e com pessoas do Manifesto 3D. Essa possibilidade existe.

Nessa convergência cabe o PS?

Claro obviamente.

António Costa vem ao encontro das vossas expectativas?

As primárias mostraram que há uma vontade de mudança do PS. Mas não basta a António Costa apresentar-se como o homem de esquerda do PS ou fazer uma oposição que grita mais alto. Até agora não foi muito claro sobre a proposta política que tem para apresentar ao país.

O que diz no programa para a década é suficiente para o arranque do diálogo à esquerda?

Deixa muitas dúvidas por esclarecer. Temos de começar a discutir como se faz. Como se relança o consumo interno que permita criar algum crescimento económico e ter alguma sustentabilidade das finanças públicas? Como se olha para uma dívida acima dos 130 do PIB? Estas são as questões fundamentais. Não são fáceis. São trágicas. E sobre elas António Costa até agora não foi claro. Não tenho dúvidas de que quero um diálogo à esquerda e com o partido socialista. Mas qualquer entendimento tem de surgir de um programa. Não é útil ao país criarmos um grupo de amigos do PS!

Não tem linhas vermelhas no diálogo com o PS?

Não interessa traçar linhas vermelhas. Importa abrir caminhos verdes. Não se começa uma discussão assim quando o que importa é mobilizamos o país para sustentar um governo que defenda verdadeiramente a escola pública, o Serviço Nacional de Saúde, a sustentabilidade da segurança social e um modelo de solidariedade intergeracional.

Como é que velhos inimigos se podem entender. É moldável?

Não gosto da palavra moldável. Fiz oposição aos governos do PS fui combativa face aos governos de Sócrates e tenho orgulho disso. Mas vivemos um contexto diferente. Temos uma relação muitíssimo dura no contexto europeu. O modelo de Estado social está a ser posto em causa. É esta fragmentação do país e do regime que devemos discutir. O PS é neste contexto um parceiro imprescindível. É fundamental contar com o PS. Mas temos de ver se está ou não disponível.

O eleitor não achará que foi a Ana Drago quem mudou?

Sempre defendi mesmo no Bloco a capacidade de criar articulações que defendam na vida real das pessoas modelos de transformação. E continuo a achar exatamente a mesma coisa. O que hoje não podemos escamotear é que existe uma situação de emergência e uma alteração de contexto histórico. E isso é de tal forma importante que se criam compromissos. Não se criam consensos porque não é isso que interessa. Não estamos aqui para pensarmos todos da mesma maneira. Se eu achasse que o PS era a solução para a governação do país votava nele entrava no PS. Não creio. Acho que o PS é um elemento determinante mas não é a resposta única.

Mas se o PS não quiser, pode chegar às legislativas sem convergência nenhuma…

Não vejo utilidade numa convergência para ir às legislativas. O PS tem o seu programa, o seu eleitorado fará a sua estruturação e apresentará uma alternativa ao país. Mas existe um espaço político à esquerda que é diferente do PS e que está disponível para encontrar compromissos em torno de um programa. Não é mais do que isto.

Não haverá coligação pré-eleitoral?

Não vejo interesse nisso. Acho que é preciso testar a força, a legitimidade, a representatividade deste tipo de proposta política que estou a formular. É preciso ver se ela ganha dinâmica política e social. Se tem força eleitoral. A capacidade de criar compromisso e de fazer diálogos dependerá dessa força.

O seu discurso contém uma crítica implícita ao BE e ao PCP…

Compreendo muitíssimo bem o sentido de orientação po lítica em torno de um processo de resistência. Compreendo intelectualmente. Não creio que responda à situação que estamos a viver. Não nos podemos dar ao luxo, quando as coisas pelas quais lutamos se estão a dissolver, de ficar satisfeitos em fazer resistência.

Não teme estar a contribuir para a implosão do BE?

Não creio. O Bloco é um partido com algum enraizamento local, com muita gente ativa disponível, capaz, com o coração do lado certo…

E também em queda eleitoral…

Saí do BE e não me sinto com legitimidade para fazer leituras políticas.

Faz parte dos seus projetos de futuro próximo voltar à Assembleia da República?

Não vejo qualquer interesse em debater isso. É demasiado cedo. Temos de começar a discutir política.

Que também se faz de pessoas…

Claro. Eu estou disponível.

Ana Drago e Daniel Oliveira querem uma nova Esquerda com “força eleitoral”

clubepensadores_franciscosantos

Notícia do Jornalismo Porto Net

O Clube dos Pensadores regressou esta segunda-feira com a presença de Ana Drago e Daniel Oliveira. O debate serviu para a discussão sobre a atual situação da democracia portuguesa e o futuro da Esquerda no contexto político do país.

Ana Drago, antiga dirigente e deputada do Bloco de Esquerda (BE), e Daniel Oliveira, fundador do partido e jornalista, foram os convidados do organizador Joaquim Jorge, no regresso do Clube dos Pensadores, esta segunda-feira, no Hotel Holiday Inn, em Vila Nova de Gaia. A escolha em dose dupla deveu-se à recente desvinculação de ambos do Bloco de Esquerda e consequente integração na Associação Fórum Manifesto.

No debate referiu-se a aproximação do Fórum Manifesto ao Partido Livre, de Rui Tavares, e a um eventual diálogo pós-eleitoral entre uma nova plataforma de Esquerda e o Partido Socialista. A questão das “metas do tratado orçamental” e da “dívida sufocante” mereceram a condenação de Ana Drago e Daniel Oliveira, que temem a destruição do Estado social com as políticas atuais.

Ana Drago defendeu a criação de um movimento conjunto de cidadania para a defesa do país e de a organização de novas formas de participação cívica e politica, com a tradição das do país vizinho. Para a antiga deputada, as negociações que estão a ocorrer entre um conjunto de cidadãos, o Partido Livre e outras organizações são importantes para o aparecimento “de uma Esquerda que esteja disponível para olhar o país e falar com verdade sobre os enormes constrangimentos” com que Portugal se depara.

A organização de forças com capacidade “para alterar o contexto” e a formação de um Governo que promova “uma batalha pela defesa do modelo da nossa democracia” é o caminho que Ana Drago propõe e a força social de que pretende fazer parte.

Precariedade “é a maior doença, não só social, mas política do século XXI”

Daniel Oliveira mencionou a criação de uma plataforma política e de cidadãos com “força eleitoral”, disponível para “condicionar e intervir na governação” de uma forma real e aproximar o Estado dos cidadãos. Uma plataforma que não promova mais cortes na saúde, na educação e nas reformas.

O convidado falou sobre a necessidade de se proteger a democracia face à corrupção, aos interesses privados e aos mercados. Para Daniel Oliveira, é essencial “devolver o poder ao Estado, à política, à democracia”, o que asseguraria uma maior participação cívica e a defesa da atividade do político, que o convidado considera “digna”.

O ex-bloquista debruçou-se, ainda, sobre a relação próxima entre a igualdade e a corrupção. Afirmou que “as sociedades menos corruptas são, geralmente, as sociedades menos desiguais”. Sobre o estado atual do país, Daniel Oliveira considerou fundamental recusar o discurso da inevitabilidade, do medo e da passividade em relação às decisões da Europa, por estar em causa a soberania nacional. Em relação à precariedade no trabalho, o convidado defendeu que esta “é a maior doença, não só social, mas política do século XXI”.

No final do debate, Joaquim Jorge lançou o desafio para que os convidados regressem ao Clube dos Pensadores num futuro próximo, no momento em que ambos se apresentem como candidatos a cargos políticos.

Sessão Pública 6ª-feira, 3 de Outubro, Coimbra

A3-FManif-WEB-2

Com o objetivo de debater a construção de uma ampla plataforma política que possa levar a uma futura governação de esquerda, a Associação Fórum Manifesto realiza um debate esta sexta-feira, 3 de Outubro, às 21h, na Casa Municipal da Cultural, Coimbra.

Com:

Abílio Hernandez (professor universitário Uni. Coimbra)

Ana Drago (socióloga)

José Reis (professor universitário Uni. Coimbra)

Sara Araújo (investigadora)

Rui Bebiano (professor universitário Uni. Coimbra)

Local: Casa Municipal da Cultura, Rua Pedro Monteiro 3000-329 – Coimbra

Governar à esquerda

Governar_site

GOVERNAR À ESQUERDA
Sábado, 4 out 2014 – 10h00-17h30
Auditório Camões, Lisboa
Inscrições:
http://www.congressoalternativas.org/2014/09/inscricoes.html

10h00 – Abertura – JOSÉ REIS

10h30-13h00 – 1º Painel
“Democracia, trabalho e direitos sociais”
Manuela Mendonça (moderação)
André Barata (Democracia)
António Casimiro Ferreira (Trabalho)
José Luís Albuquerque (Protecção Social)
Manuela Silva (Saúde e Educação)
DEBATE

15h00-17h00 – 2º Painel
“A dívida, a União Europeia e a Soberania”
José Castro Caldas (moderação)
Francisco Seixas da Costa
João Ferreira do Amaral
José Gomes Canotilho
Marisa Matias
Octávio Teixeira
DEBATE

17h30 – Encerramento – MANUEL CARVALHO DA SILVA

Dentro de um ano seremos chamados a eleger os deputados à Assembleia da República. Depois de mais de três anos de atropelos ao regime democrático e aos direitos sociais, teremos oportunidade de dizer como queremos que o país seja governado.

O que deve um governo de esquerda fazer para revalorizar a democracia e os direitos sociais e laborais? Qual o mandato que deve assumir nas relações com a União Europeia no que respeita à questão da dívida?

Dois anos depois da realização da sua assembleia fundadora (a 5 de Outubro de 2012), o Congresso Democrático das Alternativas promove o debate sobre questões decisivas para o nosso futuro comum.

Participe na conferência e no debate prévio que terá lugar no site (http://www.congressoalternativas.org/), enviando comentários aos textos sobre cada um dos tópicos em debate:

De Volta à Democracia, por André Barata (http://www.congressoalternativas.org/2014/09/de-volta-democracia.html)
O Trabalho e os seus Direitos, por António Casimiro Ferreira (http://www.congressoalternativas.org/2014/09/o-trabalho-e-os-seus-direitos.html)
Protecção Social, por José Luís Albuquerque (http://www.congressoalternativas.org/2014/09/democracia-trabalho-e-direitos-sociais.html)
Saúde e Educação, por Manuela Silva e Nuno Serra (http://www.congressoalternativas.org/2014/09/saude-e-educacao.html)
A dívida, a União Europeia e a Soberania, por José Maria Castro Caldas (http://www.congressoalternativas.org/2014/09/a-divida-uniao-europeia-e-soberania.html)

Os comentários deverão ser sucintos (até 2.500 caracteres) e focados nas questões suscitadas pelos textos sobre o tópico respectivo.

A Nova Esquerda – Entrevista da Ana Drago à RTP2

Entrevista da Ana Drago ao Programa Página 2, da RTP2 – clica aqui.

Ana

“Há uma necessidade de uma proposta política à esquerda que dê resposta já”, em entrevista ao Página 2 da RTP2, ontem à noite.

“Não é realista um Governo de esquerda sem o PS. Eu acho que é preciso falar com o Partido Socialista”.

“Faz falta criar espaços de participação. É nesse sentido que o Fórum Manifesto defende o lançamento de um processo de debate programático à esquerda amplo”

“O que me assusta nesta proposta de redução de deputados de Seguro é uma deriva populista”

Sessão Pública 5ª feira no Porto

manifesto-v1

 

Com o objetivo de debater a construção de uma ampla plataforma política que possa levar a uma futura governação de esquerda, a Associação Fórum Manifesto realiza um debate esta quinta-feira, 18 de Setembro, às 21h, no Café Ceuta, Porto.

Com:

Ana Drago (socióloga)

Daniel Oliveira (jornalista)

Rui Feijó (investigador e antigo vereador C.M. do Porto)

Gaspar Martins Pereira (professor universitário Uni. do Porto)

Local: Café Ceuta, Rua de Ceuta 20-26, 4450-191 Porto

Transportes: Metro da Avenida dos Aliados

Resolução Política aprovada na Assembleia Geral

Fórum Manifesto – Assembleia Geral Extraordinária – 13 de setembro de 2014

  1. Ao longo dos anos, o Fórum Manifesto tem procurado ser um espaço de debate e de intervenção política de muitos que, à esquerda, procuram caminhos de transformação progressista da sociedade portuguesa – alargamento e reforço de direitos sociais e políticos; combate às várias formas de desigualdade; reforço de uma democracia participada. Sempre num espírito de diálogo e abertura, combatendo a cultura de sectarismo que tantas vezes tem dominado a esquerda. Foi com esta cultura de diálogo que, ainda com a denominação de Política XXI, protagonizou uma candidatura europeia plural aberta à participação de muitos independentes; foi nessa perspetiva que contribui para a fundação do Bloco de Esquerda; foi por isso que se bateu sempre dentro do próprio BE; e é movido por esse espírito que tem lançado pontes para novos e mais abrangentes entendimentos à esquerda. Porque na actual situação política, essa vontade de construir diálogos entre diferentes leituras e propostas é ainda mais importante. Esse caminho de abertura e convergência foi, e deve continuar a ser, o caminho do Manifesto.
  1. Portugal vive hoje um tempo político singular na sua recente história democrática. A imposição de uma lógica austeritária a nível europeu tem-se traduzido em Portugal numa política activa de destruição do Estado Social, de interrupção da vertente redistributiva das políticas públicas e de estrangulamento económico. Para a maioria dos portugueses, esta é uma nova experiência da integração europeia, que contrasta profundamente com os quase 30 anos em que as políticas europeias de liberalização vinham acompanhadas de processos de investimento, os quais permitiram a modernização em áreas fundamentais, como as infra-estruturas de transporte ou a educação. Esse tempo – em que a consolidação democrática e a integração europeia pareciam desenrolar-se em simultâneo, deixando um lastro de identidade pró-europeia em amplos segmentos da população – parece ter chegado ao fim. A partir do discurso do sobre-endividamento é agora imposta a ideia de que as políticas públicas de redução das desigualdades e de redistribuição, o investimento público de modernização e os direitos sociais estão “acima das nossas possibilidades”. Ao longo da crise tem ficado demonstrado que esta não foi causada, mas sim amenizada pela estrutura do Estado Social.
  1. Nesse sentido, está hoje em curso uma reconfiguração do regime no qual assentou a construção da democracia em Portugal. A articulação entre liberdades políticas e direitos sociais foi fundamental na legitimação e na inscrição política do regime democrático português, que se corporizou em políticas redistributivas e consagração de direitos sociais, ainda que muitas vezes incompletas ou insuficientes. Mas essa lógica de regime desenhou igualmente uma concepção de sociedade democrática que vai muito para lá do sistema de representação política. É aliás contra essa concepção de democracia alargada como sociedade vocacionada para a justiça social e dignidade dos cidadãos que a política do actual Governo tem esbarrado, nos sucessivos confrontos com a Constituição. Apesar disso, os riscos que pairam sobre o pilar da cidadania social colocam uma urgência nova na criação de resposta políticas que, no actual contexto de forças nacional e europeu, permitam defender a sustentabilidade da democracia social.
  1. Para que tal seja possível entendemos ser necessário criar um espaço político que congregue todos os que, à esquerda da alternância, estão disponíveis para contribuir para uma solução governativa assente na sustentação de uma sociedade democrática em sentido amplo. O que exige ultrapassar duas estratégias na esquerda portuguesa que consideramos politicamente inúteis: a primeira, dos que não vêem possibilidade de acção governativa no actual contexto e que se entrincheiram para resistir até um eventual momento de ruptura; a segunda, até agora prevalecente no PS, dos que entendem que qualquer confronto com a política austeritária da Europa arrisca a desvinculação e o isolamento de Portugal do espaço europeu, e que esse risco é demasiado grande para que essa batalha possa ser tentada, significando na prática que temos de esperar por um “milagre europeu”.
  1. No Manifesto, pelo contrário, pensamos que a urgência de responder ao que está em curso não pode ser menorizada. O espaço político para trilhar este caminho de construção de compromissos de governação é estreito mas existe, e tem que ser construído num diálogo programático que aceite a existência de identidades políticas múltiplas. Nesse sentido, o Manifesto tem procurado um diálogo com outros sectores sociais e actores políticos, nomeadamente com alguns dos promotores do Manifesto 3D e com o Partido Livre, que se revêem neste sentido de urgência de resposta política à situação actual, e que têm igualmente procurado estabelecer diálogos e convergências à esquerda.
  1. Por isso, acreditamos ser necessário colocar em marcha um processo mobilizador de construção programática, que conte com a participação de diferentes sectores e organizações da sociedade portuguesa, em torno de um programa de governação determinado em combater o empobrecimento e o declínio do país para garantir um futuro de dignidade e justiça, e preparado para enfrentar dificílimos desafios e constrangimentos com realismo e determinação. Desafios e constrangimentos políticos, económicos e financeiros, internos e externos, entre os quais têm especial relevância a dependência externa da economia portuguesa, o endividamento e o desfavorável quadro institucional e político da União Europeia.
  1. Este processo, em que o Manifesto se empenhará, deverá culminar na construção de uma ampla plataforma com outros actores políticos e sectores sociais, que permita apresentar aos portugueses, nas próximas eleições de 2015, uma candidatura determinada a participar numa solução de governaçãoque trave o desmantelamento do Estado Social, o desemprego, a emigração, a precarização das relações laborais, a contínua redução de salários e pensões; que impeça o empobrecimento e o progressivo despovoamento do nosso país e que se passa por uma agenda progressista e transformadora.

Manifesto lança desafio para construção de ampla plataforma política

FM grande

A Associação Fórum Manifesto lançou um desafio a outros atores sociais e políticos para a construção de uma ampla plataforma política de debate programático no qual se possa ancorar uma futura governação de esquerda. Este apelo teve já, como momento prévio, o diálogo com independentes que foram promotores do Manifesto 3D e com o Partido Livre.

“Este processo, em que o Manifesto se empenhará, deverá culminar na construção de uma ampla plataforma com outros actores políticos e sectores sociais, que permita apresentar aos portugueses, nas próximas eleições de 2015, uma candidatura determinada a participar numa solução de governação”, segundo a resolução política hoje aprovada na Assembleia Geral Extraordinária.

Os associados do Manifesto pretendem construir uma “agenda progressista e transformadora”.

Para a Associação liderada por Ana Drago, é “necessário colocar em marcha um processo mobilizador de construção programática, que conte com a participação de diferentes sectores e organizações da sociedade portuguesa, em torno de um programa de governação determinado em combater o empobrecimento e o declínio do país para garantir um futuro de dignidade e justiça, e preparado para enfrentar dificílimos desafios e constrangimentos com realismo e determinação”, lê-se.

Durante o encontro foram ainda eleitos os novos corpos sociais da Associação. A sua composição incorpora já inúmeros elementos que promoveram o Manifesto 3D e entretanto aderiram ao Manifesto. A direção executiva será presidida por Ana Drago e contará ainda com Daniel Oliveira, Ricardo Paes Mamede, Nuno Serra e Rogério Moreira. Para além da direção foram eleitos o Conselho Geral, órgão deliberativo entre Assembleia Gerais, o Conselho Fiscal e a Mesa da Assembleia Geral.

O encontro contou com novos associados de todo o país e decorreu hoje na Casa da Imprensa, em Lisboa.

Depois das sessões públicas de Lisboa e Tavira, está agendado para 18 de setembro um novo debate no Porto, com a participação de Ana Drago, Daniel Oliveira, Rui Feijó e Gaspar Martins Pereira, no Café Ceuta e outro em Coimbra, a 25 de setembro.